Boletim Técnico
Análise Sinótica: 22/01/2019-00Z
Nível 250 hPA
Na análise da carta sinótica de 250 hPa da 00 UTC do dia 22/01, nota-se uma ampla circulação anticiclônica sobre parte do Chile, norte da Argentina, Paraguai, Bolívia e MS. Observa-se a presença de um Vórtice Ciclônico de Altos Níveis (VCAN) sobre o leste do Nordeste do Brasil. A interação entre estes dois sistemas gera difluência no escoamento que, por sua vez, induz a divergência de massa em altos níveis. A combinação entre a divergência neste nível e a termodinâmica contribui para a intensa atividade convectiva observada na imagem de satélite sobre parte do Centro-Oeste e sul da Região Norte. Ao sul de 35°S, nota-se o escoamento do Jato Subtropical (JST). Os ramos norte e sul do Jato Polar atuam acoplados e estão confinados a mais altas latitudes, ao sul de 45°S, indicando o aprisionamento do ar mais frio nesta faixa e fornecendo o suporte dinâmico aos sistemas frontais presentes.
Visualizar imagem de 250 hPA
Nível 500 hPA
Na análise da carta sinótica de 500 hPa da 00 UTC do dia 22/01, nota-se o aprofundamento da circulação em altos níveis para este nível da atmosfera, se traduzindo num amplo anticiclone com atuação sobre parte da Bolívia, Paraguai, parte do Centro-Oeste, do Sudeste e do Sul do Brasil. Este anticiclone induz movimentos descendentes que dificultam a formação de nebulosidade significativa em boa parte desta área, embora, pontualmente, a termodinâmica consiga romper a barreira e organizar a convecção. Circulação ciclônica é notada no Atlântico Sul. O escoamento mais baroclínico (tons de verde) encontra-se confinado as mais altas latitudes onde há intenso gradiente de geopotencial.
Visualizar imagem de 500 hPA
Nível 850 hPA
Na análise da carta sinótica de 850 hPa da 00 UTC do dia 22/01, nota-se a circulação associada à Alta Subtropical do Atlântico Sul (ASAS) que favorece ventos de leste na costa do Nordeste. Nota-se também a convergência dos alísios direcionada entre o litoral do MA, PA e AP. No Oceano Atlântico sudoeste, nota-se a circulação ciclônica que está associada ao sistema frontal sinalizado na carta de superfície. O escoamento de leste adentra pelo continente na forma do Jato de Baixos Níveis (JBN) que se direciona ao norte da Argentina. A isolinha de 0°C neste nível (linha preta sólida), indica a presença de ar mais frio ao sul desta linha, e se encontra restrita ao extremo sul do continente.
Visualizar imagem de 850 hPA
Superfície
Na análise da carta sinótica de superfície da 00Z do dia 22/01, nota-se a atuação de sistemas frontais no Oceano Atlântico ao sul de 30°S. No extremo sul do continente, nota-se uma frente fria que se estende até o Pacífico sul. A Alta Subtropical do Atlântico Sul (ASAS) apresenta núcleo de 1028 hPa, fora do domínio da imagem. A Alta Subtropical do Pacífico Sul (ASPS) tem valor de 1028 hPa à oeste de 90°W. A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) atua em torno de 03°N/05°N no Oceano Pacífico, e entre 01°S e 02°N no Oceano Atlântico.
Visualizar imagem de Superfície
Previsão
Nesta terça-feira (22/01), a presença de um cavado de onda curta na média e na baixa troposfera contribuirá para pancadas de chuva rápida em parte do litoral norte de SP, e no decorrer da tarde influenciará o tempo em áreas do cone leste de SP e do sul do RJ, onde juntamente com a termodinâmica deverá auxiliar na ocorrência de pancadas de chuva forte com raios e possibilidade de rajadas de vento forte nessas áreas. A ZCIT continuará influenciando a faixa norte do país entre o AP, nordeste do PA e a faixa norte do Nordeste, onde o tempo estará bastante instável com pancadas de chuva que localmente poderão ocasionar acumulados expressivos de precipitação no MA e no PI, litoral do AP e nordeste do PA. O VCAN que atuou nos últimos dias sobre a região central do Brasil começará a se desconfigurar e resultará num cavado de leste entre RO e o norte da Bolívia até o final do dia, mas ainda deverá contribuir para ocorrência de pancadas de chuva localmente forte sobre o centro-oeste de MT e áreas de RO, do sul do AM e do AC. A AB permanecerá relativamente deslocada um pouco para sul, em relação da sua posição climatológica e estará com o centro entre o norte da Argentina e do Chile. A borda leste estará influenciando o tempo entre o nordeste de SP e o sul/sudoeste de MG, onde haverá condições para temporais isolados, que deverão se estender para áreas vizinhas a estes setores, como o triângulo mineiro e centro-oeste de MG e o norte de SP. No Nordeste a circulação em altos níveis terá um VCAN com o centro no oceano e a leste de AL e SE, que juntamente com a presença dos alísios e de cavado na baixa troposfera contribuirão para a chuva no litoral e zona da mata de AL e de PE. Esse VCAN permanecerá nesse setor nos próximos dias dois dias (22 a 24), sendo que no dia 24 irá se desintensificar e o escoamento nesse setor do Atlântico terá um cavado até o sábado (26), nos dias seguintes o escoamento terá a presença de uma crista entre a BA e o oceano. No entanto, nos dias 27 e 28 esse cavado se intensificará no Atlântico à leste de 37°W, vindo a formar um novo VCAN . Na quarta-feira (23) o padrão de circulação não deverá sofrer mudanças significativas, porém, com a desconfiguração do Vórtice Ciclônico sobre o centro-oeste do Brasil, o anticiclone na troposfera média deverá voltar a dominar grande parte do Centro-Oeste, Sul e Sudeste, dificultando mais a ocorrência de chuva nestas áreas. No entanto, ainda na quarta-feira (23), o avanço de um cavado na troposfera média, a divergência associada a presença do JST e o avanço de uma frente fria sobre o Uruguai, deverão voltar a instabilizar as condições de tempo entre o centro-leste da Argentina, Uruguai e o RS, onde poderão ocorrer pancadas de chuva, que localmente terão forte intensidade e chance de temporais isolados. Na quinta-feira (24), um novo cavado entre a alta e a média troposfera deverá voltar a influenciar as condições de tempo em parte do Sudeste, principalmente, entre SP, centro-sul de MG e o RJ. Esse cavado em 250 hPa irá se desprender do escoamento mais a sul e estacionar na costa entre SP e o RJ, vindo a se deslocar para oeste dos próximos dias e formar um VCAN entre MS e GO no dia 27 a noite, com isso, as condições de instabilidade sobre essas áreas aumentarão onde haverá pancadas de chuva localmente forte com raios e ventania forte. Entre a sexta-feira (25) e o sábado (26) ocorrerá a formação e o avanço de uma frente fria para centro-leste da Argentina, que terá o auxílio do jato de baixos níveis (JBN) e da divergência em 250 hPa, associada a borda sul do anticiclone, e deverá ocasionar acumulados significativos de precipitação. Entre o sábado (26) e o domingo (27) o VCAN deverá se deslocar para oeste, posicionando-se sobre GO e MS no final do domingo, o que deverá intensificar a condição de chuva em grande parte do Centro-Oeste, inclusive no dia 28. A frente fria irá se deslocar da Argentina para o leste do Uruguai no dia 28 e não conseguirá avançar para norte/nordeste, devido as condições de bloqueio, associadas ao VCAN e do anticiclone em 250 hPa (AB). Na região Norte do Brasil o escoamento da ZCIT continuará provocando chuva localmente forte entre o AP e o litoral e parte do nordeste do PA e noroeste e litoral norte do MA nos próximos dias.

24 horas

48 horas

72 horas

96 horas

120 horas